domingo, 12 de julho de 2015

Nuanças

 
(Vincent Van Gogh - Uma Noite Estrelada Sobre o Ródano -1888 - Museu D'Orsay em Paris-FR)

Pequenos fatos, insignificantes,
determinam a natureza da mudança.
Há algo a dizer a respeito:
Percebe-se,
qualquer um,
uma, ainda que leve, estranheza.
Onde ela (quase) não existe!

Por quê(?)
Não se pode mais encontrar
a impressão de ontem (?).
Resta, de tudo que foi,
o “nada” observado por Sartre.
Um segundo...
E já se está muito distanciado,
ou tão dentro,
que não se pode mais distinguir os espaços.

Quisera imitar os loucos
que sabem nadar...
E me jogar no mar.
Mas, insuficientemente, louca
detenho-me.
E vou embora.

Se ri -
De mim? De nós?
Dos nós?
- Quando lhe dou as costas
Um dia costas dadas
é tudo que restará.
Então, terá deixado de ser mar
para ser seixo...
Ninguém mais se aprofundará em ti!

Tive (tenho) medos.
Assim como coragem,
tanta que me apavora!
E alguns sentimentos...
Medonhos, lindos...
Inclino-me à loucura.
Ela... Porém,
se volta contra
- não - para mim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário