sábado, 8 de agosto de 2015

O Tecelão e a Sonhadora...

(Arte e Fotografia: Zena Holloway - Dream Weavers)

Deitei-me antes do tempo passado. 
Persuadida por uma fraqueza que não é minha. 
Talvez por ter recobrado um revés da infância, 
não muito agradável, 
verti sangue,
do nariz,
ainda hoje um pouco. 
O estado seco da nossa atmosfera
provavelmente. 
A coisa realizada é que, 
não obstante me soltar das mãos
e me conciliar com a insensibilidade dos sentidos 
não a atingi. 
A disposição do espírito,
como um carneiro novo
já castrado,
nada encerrava. 
Mistério raro. 
Todo o tempo
tumultuada,
repleta de sentidos perturbados...
Negando-se a qualquer juízo!
Dentro tudo um breu, 
intensamente desejado. 
Momice de curta duração. 
Desprovida de outrem 
a quem abraçar,
sem par
nesse universo,
com todos os seus corpos e seres,
misturei-me aos travesseiros.
Neste instante,
percebi o que se passava
de mim para mim.
De si o aroma vindo...
De uma só vez,
a saudade,
parecia mil facas 
penetrando minha densidade corpórea
e essa coisa,
incognoscível,
que anima-me como ser...
sobreVivo
na silenciosa oração: 
"faça-me esquecer..." 
Ele ouviu. 
Urgente. 
A ouvi, 
tenho nítido cada detalhe da sua voz,
instrumento modificado pelos cantos entoa,
sobre o qual parece não ter nenhum domínio: 
Estava numa conversa trivial com alguém. 
Feliz, 
não eufórica,
como costumava ficar às vezes. 
Calma, 
ria e massageava as costas 
de quem lhe amava reciprocamente. 
no curto espaço da hora, 
sofri... 
Ao ver-te tão bem, 
impedi o derramamento aquoso
da videira após a poda.
Devorei-me em choros,
por dentro.
Deixei-te ali...
No sonho. 
Sou agora levada desse lugar para outros
Acompanhar-me-á
este sentir que induz a proteger e conservar-te.
A manter (quase) morta,
em coma
esta afeição,
cujo cariz possui
estames e carpelos.
Recusaram-me domínio sobre a sensibilidade.
Não tenho a faculdade de me dispor
livremente do que me é próprio. 
Se me tocasse em sorte 
ter-lhe para sempre.
No entanto,
não posso mais desejar-te comigo. 
Apenas sentirei o irrealizado. 
Ele disse:
"Basta dessa vã espera."
E ocupa teu espaço
com outro lugar em mim.
Eu resisto...
Mas, Ele não te deixa mais ficar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário