domingo, 6 de dezembro de 2015

Deslizo


(Autoria da imagem não identificada - Vista em: www.google.com/image)

Escapo ao medo e a coragem
Não me concilio
Iludem-me
Mas, não me iludo
Com esse mundo
Tampouco
Com meu aspecto desumano
Miserável
Tão característico hoje em dia
Desejei-te aqui
Para me acalmar diante de tantas aflições
Para ter a quem dizer ‘a verdade’
E de quem a ouvir
Contar minha pequena história
Não pude
Não consigo mais te alcançar
Nem mesmo em pensamento
Desvencilho-me
Dos resquícios do passado
Não apenas do meu
Mas, desse nosso passado 
Dos elos que me prenderam a ele
Misteriosamente óbvios
Vergonhosamente negados
Quis escapar dessa liberdade que me imponho
Que não é minha
Não é possível
Espero o dissipar das luzes
Já que elas têm cegado a tantos de nós
Aí, quem sabe, apagarei as páginas precedentes
Com um pouco da escuridão que guardam
E consiga escapar a sucessão dos não-acontecimentos
Porque eles não querem desvelar segredos
Eles não revelam estados de alma
Não expressam os fatos
Não revelam escolhas
Não nos tornam unos
Não traduzem as coisas indizíveis
Coisas que tanto quero ditas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário