domingo, 24 de abril de 2016

Mil Azares

(Autoria da imagem não identificada - Vista em: www.sindijusms.gov.br)

Não ignoro esse ímpeto
Ele me arremessa através dos mil azares
Ele nos escolheu
Para nos transformamos em nós
É inútil fingir
Desconhecermos
É fato
A origem
E o resultado dessas façanhas singulares
Que nos atormentam

Não busco glória
Não busco regeneração
Não preciso espiar culpas
Pois não as tenho
Não vou ensaiar renúncia
Vou quebrar esse egoísmo
Não vou me purificar de nada
Não quero brilhos
Nem magnanimidades
Quero de fato quem nos represente
Que nos representem
Que toquem nossos sentidos
Que signifique e ressignifique
Se preciso for

Não há revés que me desanime
Nem derrotas
Nem ruinas
Que me convençam
Nada que me disponha a outros ou outras
Não há meios que me façam empenhar em outras conquistas
Tudo que me anima
É nossa constância
É a possibilidade de sermos
Do envolvimento intelectual e espiritual
Que nos une

Há dificuldades
Mas podemos vencê-las
Há obstáculos
Mas podemos domina-los
Há preconceitos
Mas os desfaremos como a seus próprios juízes

Só em ti quero a imortalidade
Só em ti os fulgores e a magia
De uma felicidade interminável
Só em ti a dignidade de pensar em suores
Só em ti coroarmos nossas vidas
Com a dádiva do verdadeiro
Não há neste mundo infame
Nenhuma hipocrisia
Que me convença a esquecer-te

Sabemos qual será o nosso prêmio
Os anais darão conhecimento
Do abalo que modificou a nossa face
Que sacudiu a nossa história
Nosso mundo

Alguns nos condenarão
Alguns dirão que satisfizemos nossos caprichos déspotas

Mas nós
Nós teremos vivido
Em nome da liberdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário