segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O Meu Amigo

Resultado de imagem para michelangelo o dedo de deus
(Michelangelo Buonarroti - Teto da Capela Cistina: A Criação de Adão - 1512)

Nesta minha viagem 
Pelo deserto
Que é a vida
Posso dizer
Que escrevi na pedra 
Tudo o que me aconteceu
Ou tudo o que me fizeram 
Os amigos
E os inimigos
Guardo tudo daqueles que me ergueram 
Ou que me derrubaram
Eu tenho um Amigo 
Em especial
Amigo como amigos devem ser
Daquele que além de ser o sol que me aquece
É a água que me refresca
A brisa que me incentiva a seguir em frente
A areia que se prende aos meus pés
Para que eu não me perca no caminho
E para que não me esqueça dos percalços
Dos incômodos que terei de enfrentar nesse deserto
Até conseguir alcançar o meu oásis
Já me encontrei em oásis ilusórios
Nos quais lavrei as minhas dores passadas
E nos quais também me afoguei
Até que esse Amigo me "salvou"
Ele trouxe-me de volta à margem
Sã e salva
Ele pode e fez
Não quis morrer comigo
Isso não seria coisa de amigo
Então eu o escrevi na pedra que se tornou meu coração
Você...
Meu Amigo...
Salvou minha vida
Quando eu estava me afogando
Nas areias de um deserto 
Vasto, lindo e traiçoeiro...
Trouxe-me de volta à margem
Deu-me água fresca para beber
Cuidou-me enquanto me contorcia em dores 
Úteis e inúteis
Salvou-me do deserto e de mim mesma
Quando se colocou no meu caminho
E dedicou seus sentimentos 
Sua atenção a mim
Amou-me para curar em mim o desespero de não ser a amada
Ensinou-me muitas lições de felicidade
Quando só o que havia em mim era tristeza
E ensinou-me também lições de tristeza
Para que eu aprendesse a supera-las
Quando não se apoiou na minha dor 
Para me manter acorrentada a ti
Quando disse o não e o sim que eu precisava ouvir
Quando me deixou comigo mesma
Mas não me deixou só
Salvou-me
Quando meu corpo vergou
Quando não alcancei o chão 
Embaixo dos meus pés
Quando me perdi 
Você me encontrou e me trouxe de volta a mim
Se eu tivesse deixado que se apagasse as histórias
Das vezes que caí ou que me derrubaram
Eu não saberia me levantar sozinha hoje
As quedas não são menos importantes
Que os soerguimentos
É esse conjunto que me faz saber
Qual é o seu lugar na minha vida
E o meu lugar na Sua
Porque aprendi com todos os danos 
Que porventura esse deserto tenha me causado
E não quero esquecer
Nem o "bem" nem o "mal"
Que experimentamos juntos
O esquecimento não é um ato de perdão
E sim de indiferença
Nós
Meu Amigo
Não somos indiferentes
Por isso não quero que nada se apague
Nenhum dos pequenos ou miseráveis gestos
Se os deixasse perder
Perderia a mim mesma e a ti

Nenhum comentário:

Postar um comentário